Podemos construir um mundo melhor, isso só depende de cada um de nós.


Operações da Polícia Federal no Amapá: um breve histórico de 2004 a 2010

Operações da Polícia Federal no Amapá: um breve histórico de 2004 a 2010

 

Não podemos de forma alguma permitirmos que caiam no esquecimento as diversas operações da Polícia Federal (PF) feitas em terras Tucujus, principalmente no período que compreende os anos de 2004 a 2010, um tempo considerado por muitos obscuro na política amapaense, as informações contidas nesse texto, foram retiradas do site da PF.

 

POROROCA

A operação teve início no dia quatro de novembro, quando 25 pessoas foram presas no Amapá, Minas Gerais, Pará e Distrito Federal, acusadas de participar de uma quadrilha que fraudava licitações. Entre os presos acusados de participar da quadrilha estão o ex-senador pelo Amapá Sebastião Rocha (PDT) e o Ex-preiteiro paraense Fernando de Souza Flexa Ribeiro, que assume mandato de senador em janeiro, na vaga do senador Duciomar Costa (PTB-PA), prefeito eleito de Belém. A quadrilha fraudou licitações de pelo menos 17 grandes obras públicas no Amapá, que juntas totalizam R$ 103 milhões, segundo as investigações conduzidas pela Operação Pororoca. Desde então mais 7 pessoas foram presas, entre elas os prefeitos de Macapá, João Henrique (PT); e de Santana, Rosemiro Rocha (PDT).

 • A PF prendeu na Operação Pororoca 32 pessoas.

 

Argus

A operação Argus foi deflagrada no dia 1º de novembro com o objetivo de cumprir 21 mandados de prisão e vários de busca e apreensão nas cidades de Macapá, Santana e Alenquer/PA. Os presos são acusados de envolvimento com o tráfico de entorpecentes nos estados do Pará e Amapá. A ação contou com 115 policiais federais e com o Batalhão de Operações Especiais da Polícia Militar.

 • A PF prendeu na Operação Argus 21 pessoas

 

Sanguessuga

A operação foi realizada pela Polícia Federal no dia 04 de maio com o objetivo de desarticular uma organização criminosa especializada na prática de crimes contra a ordem tributária e fraudes em licitações na área da saúde que agia desde o ano de 2001. Cerca de 250 policiais federais participaram da operação nos estados do Acre, Amapá, Mato Grosso, Minas Gerais, Paraná, Rio de Janeiro e no Distrito Federal. Foram cumpridos 53 mandados de busca e apreensão e efetuadas 48 prisões. Integravam a quadrilha funcionários públicos que atuavam no Ministério da Saúde e na Câmara dos Deputados.

 • A PF prendeu na Operação Sanguessuga 48 pessoas

 

Isaías

A Polícia Federal, com apoio do IBAMA, deflagrou no dia 09 de agosto a operação Isaías, nos estados do Amapá, São Paulo, Santa Catarina e Pará. O objetivo é desarticular um esquema ilícito de emissão e comércio de ATPFs (Autorização para Transporte de Produtos Florestais), com envolvimento de servidores públicos, empresários madeireiros e intermediários. Até o final da tarde, 49 pessoas foram presas, sendo 46 no estado do Amapá, duas no Pará e uma em Santa Catarina.

 • A PF prendeu na Operação Isaías 49 pessoas

 

Antídoto

A Polícia Federal deflagrou, na madrugada do dia 22 de março, a operação Antídoto para desmantelar uma quadrilha que fraudava licitações para aquisição de medicamentos.

• A PF prendeu na Operação Antídoto 25 pessoas

A Operação Antídoto I gerou a Antídoto II no dia 27 de março de 2007, que levou a prisão de mais 08 pessoas.

 

Toque de Midas

Na manhã do dia 11 de julho, foi deflagrada pela Polícia Federal no Amapá, a Operação Toque de Midas. Tal operação resultou de investigação que tem por objetivo averiguar uma possível fraude ao processo licitatório de concessão da estrada de ferro do Amapá, que liga os municípios de Serra do Navio e Santana e é responsável pelo transporte de minério do interior do estado para o Porto de Santana às margens do Rio Amazonas.

 • A PF prendeu na Operação Toque de Midas 01 pessoas

 

Exérese

A Polícia Federal desencadeou, no dia 4, a Operação Exérese para desmontar um esquema de fraudes de licitações na Secretaria de Educação do Amapá. Foram presas 10 pessoas e cumpridos 12 mandados de busca e apreensão. Entre os presos está um influente empresário de Macapá e um servidor da Secretaria de Educação.

 • A PF prendeu na Operação Exérese 10 pessoas

 

9 mm

Na manhã do dia 24 de março, a Polícia Federal dá cumprimento a 13 mandados de busca e apreensão e 9 mandados de prisão preventiva expedidos em desfavor de uma quadrilha que facilitava fugas dentro do Instituto Penitenciário de Macapá - IAPEN, além de traficar armas e drogas. Participam da Operação chamada 9mm, 70 policiais federais e 20 policiais militares do Batalhão de Operações Especiais (BOPE).

 • A PF prendeu na Operação 9 mm 09 pessoas

 

Zagaia

A Polícia Federal prendeu, no dia 16 de junho, 16 pessoas durante a Operação Zagaia, deflagrada para combater o tráfico de drogas no estado do Amapá. Ao todo, a Justiça Estadual do Amapá expediu 19 mandados de prisão preventiva e 10 mandados de busca e apreensão. A ação acontece nas cidades de Macapá, Santana (AP), Manaus (AM), Santarém (PA) e Porto Velho (RO).

 • A PF prendeu na Operação Zagaia 16 pessoas

 

Ouro-de-Tolo

A Polícia Federal deflagrou no dia 5 de agosto, a Operação Ouro-de-Tolo com o objetivo de coibir a ação de uma quadrilha que falsificava documentos, em especial vales-transportes, em gráficas da cidade de Macapá, que em seguida eram distribuídos em diversas cidades brasileiras (São Paulo/SP, Salvador/BA, Feira-de-Santana/BA, Cascavel/PR, Florianópolis/SC, Belém/PA, entre outras).

 • A PF prendeu na Operação Ouro-deTolo 03 pessoas

 

Mãos Limpas

Macapá/AP – A Polícia Federal iniciou, no dia 10 de setembro, a Operação Mãos Limpas, no Estado do Amapá, com o objetivo de prender uma organização criminosa composta por servidores públicos, agentes políticos e empresários, que praticava desvio de recursos públicos do Estado do Amapá e da União.

  • A PF prendeu na Operação Mãos Limpas 18 pessoas, entre as quais o Governador do Estado do Amapá, Pedro Paulo (PP), o ex-governador Waldez Góes (PDT), a ex-primeira dama Marília Góes (PDT) hoje Deputada Estadual, Secretários do GEA, o Presidente do Tribunal do Contas do Estado, Júlio Miranda, entre outros supostamente envolvidos no desvio de recursos do Estado e da União segundo as investigações realizada pela Policia Federal. Em desdobramento dessa operação também foi preso o Prefeito da Capital Roberto Góes (PDT).

 

É importante lembrarmos a sociedade quanto às diversas operações da PF realizadas no Estado do Amapá, mais importante nesse contexto, é o acompanhamento e a cobrança da população para que os envolvidos sejam responsabilizados na forma da Lei conforme a comprovação efetiva dos mesmos nessas várias operações realizadas no período supracitado. Não devemos aplaudir a inversão de valores e nem a impunidade de quem quer que seja.

 

 

Alex João Costa Gomes - Bacharel e Licenciado em História (UNIFAP 2001); Policial Militar e ex-Diretor-Presidente do DETRAN-AP


Comente:

Nenhum comentário foi encontrado.


Crie um site com

  • Totalmente GRÁTIS
  • Design profissional
  • Criação super fácil

Este site foi criado com Webnode. Crie o seu de graça agora!