Podemos construir um mundo melhor, isso só depende de cada um de nós.


ALEGRIA DE TODOS

ALEGRIA DE TODOS

 

Passadas as comemorações dos 255 anos da cidade de Macapá agora todos se preparam para os dias de folia que começam ‘pra valer’, na sexta-feira, com o primeiro dia do desfile das escolas de samba na pista da Ivaldo Veras, no Sambódromo.

Se as comemorações não foram do jeito que a população queria, pelo menos, alguém se propôs a organizar e, fugindo à regra dos últimos anos, não se falou em preço, custo ou em retorno.

Todos se conformaram com as limitações próprias do momento, deixando apenas que as emoções ficassem do tamanho que cada um quisesse.

Mas agora é carnaval!

Já começaram, aqui e fora daqui, as análises das possibilidades de aumentar a carnificina humana em que se transformam estes dias de folia. Os agourentos já prepararam os números que usarão para as comparações e destacam os novos meios disponíveis do sistema de defesa social, para evitar que as coisas não piorem.

A nova lei seca não está deixando escapar nada. A tolerância será zero e o brasileiro que adora guiar um carro, tem dado provas de que nem sempre está disposto a levar em consideração as cautelas que precisa tomar para proteger a sua vida e dos outros também.

Para alguns o aumento dos riscos, irresponsavelmente, se transforma em teste de adrenalina, como se as pessoas pudessem ser comparadas a pinos, sujeitos a serem derrubadas, como se fizessem parte de um jogo de boliche.

São muitas as famílias que consideram o carnaval um ‘mal’, que já devia não ser tão explorado como é. As razões dessas famílias estão nas recordações que deixaram marcas, com perdas irreparáveis e que acreditam que se não fosse a folia, o acidente não teria acontecido.

Respeitar esses sentimentos é uma obrigação de todos.

Aqui, não vale o dito popular de que ‘a vida continua’. Isso é muito pouco para continuar faltando zelo e sobrando imprudência e irresponsabilidade, para alguns. Esses, além de não conhecerem o espírito do carnaval, também não têm o sentimento de coletividade, de urbanidade e de alegria comum.

A felicidade, animada ou não pela folia, é o que todos buscam. Impedir essa conquista é não entender nada, não perceber qualquer coisa e ser indesejável sempre.

Nesse momento é importante fixar a máxima de que “o carnaval, só será carnaval, se for a alegria de todos!

 

Por Josiel Alcolumbre


Comente:

Nenhum comentário foi encontrado.


Crie um site com

  • Totalmente GRÁTIS
  • Centenas de templates
  • Todo em português

Este site foi criado com Webnode. Crie um grátis para você também!