Podemos construir um mundo melhor, isso só depende de cada um de nós.


Esta nascendo uma nova polícia em São Paulo.

26/09/2013 07:02

 

Com a crise instalada nas polícias civil e militar de São Paulo, causada por falta de dialogo político, acredito que esta nascendo uma nova polícia.


O que aconteceu é que a Polícia Civil, mais politizada que a Polícia Militar na atualidade, de forma democrática lutou e conquistou direitos com a aprovação da PEC35 e PEC19, nada mais justo e de direito dentro de uma democracia, mas onde estava a Polícia Militar quando a Polícia Civil lutava pela aprovação das duas PECs? “Estava em cima do muro aguardando o resultado e acreditando na Lei de Isonomia (principio de igualdade) pensando…” se a Polícia Civil levar, levamos também”, o que se vê é que o tiro parece estar saindo pela culatra.


A falta de politização da Polícia Militar não é culpa dos policiais militares, é uma cultura instalada desde muito tempo, o militarismo não deu espaço para politização, é um dos princípios do regime militar que serve muito bem para as Forças Armadas e em caso de o País estar em guerra, em outras palavras, o regime militar em seu militarismo assevera a hierarquia e a disciplina, sem isto o regime militar se parte, assim, politizar não é o caminho, ou, não era até algum tempo atrás.


Ocorre que desde o fim da ditadura o País vem a cada dia se democratizando, pedindo mudanças e a única forma de mudar dentro de uma democracia é através da política e quem não gosta e não faz política delega as decisões a quem gosta e faz, a Polícia Civil fez e conquistou a aprovação da PEC35 e da PEC19, muito justo e merecido, a instituição Polícia Civil é honrada e composta de bravos homens e mulheres que diuturnamente trabalham para combater o crime, buscando a paz social e se ela não vem é porque o Judiciário esta acorrentado em Leis arcaicas e os presídios são moldes dos presídios medievais, não se recupera ninguém e tão pouco as penas das Leis arcaicas aplicadas pelo Judiciário intimidam para evitar crimes.
Ressalvado meu prestigio e respeito à Polícia Civil de São Paulo, vamos a Polícia Militar.


A Polícia Militar do Estado de São Paulo, centenária, composta de valorosos homens e mulheres que juraram defender com o sacrifício da própria vida a sociedade paulista, a melhor Polícia da América Latina, uma das melhores do mundo, vem sendo alvo de constantes tentativas de “punhaladas nas costas” da fusão entre a Guarda Civil e a Força Pública foram muitas punhaladas na recém nascida Polícia Militar do Estado de São Paulo, a maior punhalada foi desferida na criação da Constituição de 1988, por sorte ou pela força do destino, o braço do carrasco algoz com o punhal em punho foi detido pelo ex-deputado Constituinte Hélio Cesar Rosas, bravo defensor da Polícia Militar de São Paulo, vamos ao “causo” como diria Hélio Rosas.


O texto original a ser votado tinha sido alterado na calada da noite e fosse aprovado na Constituição de 1988, a Polícia Militar seria apenas Força Auxiliar do Exercito, não iria mais exercer policiamento, perderia o poder de polícia e tudo ficaria a cargo da Polícia Civil, veja caro leitor, isto a nível federal, ocorreu que a votação ficou para um sábado e o ex-deputado Constituinte Hélio Rosas, cedo chegou ao plenário, antes do início da sessão leu os jornais que publicavam a matéria que seria votada, leu duas vezes e tudo parecia correto, em dado momento, foi atender um grupo da Polícia Militar, politizados que estavam participando da luta e queriam noticias, quem falou pelo grupo foi um oficial de Guarulhos que queria saber se não tinham alterado nada, quando o oficial obteve como resposta que esta tudo correto questionou: – “o senhor conferiu direitinho?”. A pergunta permaneceu na mente do ex-deputado Constituinte Hélio Rosas que resolveu ler a redação do processo a ser votado observou que o texto havia sido alterado condenando a Polícia Militar, descoberta a falcatrua o carrasco algoz foi desarmado evitando-se a punhalada e a Polícia Militar inserida na Constituição de 1988 da forma como esta até os dias de hoje. O ex-deputado Hélio Cesar Rosas foi recebido em São Paulo pela Banda da Polícia Militar sob o comando do ex-comandante geral Wilson Correia Leite. Este fato, com detalhes, e muitos outros podem ser encontrados e lidos no livro “Baú Revirado – Causos da minha vida política, pessoal, profissional etc” de autoria do ex-deputado Constituinte Hélio Cesar Rosas, HR Editora.


Muito bem, já deu para ver que não é de hoje que o “punhal ronda as costas da Polícia Militar” e com o passar dos anos a única forma de se evitar ou, pelo menos, amenizar os estragos é com a politização da Corporação e estamos vendo isto neste momento, os bravos e admiráveis coronéis que estão se mantendo firmes em busca dos direitos da Corporação estão dando um grande exemplo democrático, entrarão para história, ressalvando que não se pode tratar assim uma Instituição de conduta ilibada, repleta de atos heróicos e muito sangue derramado de seus filhos, bravos guerreiros, na preservação da ordem pública, a Polícia Militar do Estado de São Paulo merece respeito e como nada cai do Céu e a revolução muda as coisa, a Polícia Militar do Estado de São Paulo passa por uma grande, profunda e maravilhosa mudança tomando consciência da necessidade de se resgatar a politização que a salvou no passado quando da elaboração da Constituição de 1988, se o grupo de policiais militares politizados não estivesse lá o que seria? A conscientização política deve se estender a todos, do soldado ao coronel, assim, de forma ordeira e democrática lutar por melhorias, salários dignos, carreira digna, dignificando o profissional de segurança pública beneficiando a população dona de todo dinheiro usado para custeá-la e que merece um retorno também digno com uma segurança pública de qualidade para todos sem distinção.


A nova Polícia que esta nascendo é a PMP “Polícia Militar Politizada” que dentro em breve, após aparada as arestas com sua co-irmã, de mãos dadas irão juntas conquistar mais e mais melhorias para todos nós paulistas e brasileiros que pagamos altíssimos impostos e merecemos retorno a altura dos pagamentos exigidos pelo fisco.


Finalizando, lembro que ao ser fundado, o Partido Militar Brasileiro, além de servir de contraponto na política nacional vai ser uma grande conquista para todos os profissionais de segurança pública, fazendo justiça aos militares do passado que desde a Independência do Brasil fizeram política e até mesmo grandes revoluções, a Coluna Prestes, o Tenentismo e tantos outros atos políticos e bandeiras levantadas pelos militares sempre em defesa da democracia e sem partido político.


Concluo com os dizeres de Bertolt Brecht para que meditem:


O Analfabeto Político


“O pior analfabeto é o analfabeto político. Ele não ouve, não fala, nem participa dos acontecimentos políticos. Ele não sabe o custo de vida, o preço do feijão, do peixe, da farinha, do aluguel, do sapato e do remédio dependem das decisões políticas.


O analfabeto político é tão burro que se orgulha e estufa o peito dizendo que odeia a política. Não sabe o imbecil que, da sua ignorância política, nasce a prostituta, o menor abandonado, e o pior de todos os bandidos, que é o político vigarista, pilantra, corrupto e lacaio das empresas nacionais e multinacionais.”


 


Fonte: uniblogBR

—————

Voltar


Comente:

Nenhum comentário foi encontrado.


Crie um site com

  • Totalmente GRÁTIS
  • Design profissional
  • Criação super fácil

Este site foi criado com Webnode. Crie o seu de graça agora!